fbpx
 Sem CEP, moradores do Jardim Eldorado não recebem correspondência

A falta de CEP (código de endereçamento postal) impacta até mesmo no recebimento de recursos financeiros pelo Governo Federal.

O Vereador T. Coronel Paccola realizou uma audiência pública virtual com os moradores do bairro Jardim Eldorado em Cuiabá, para discutir, em uma lista de prioridades, a falta de código de endereçamento postal (CEP). Além da falta de nome na rua, a localização por GPS (Sistema de Posicionamento Postal) também não está cadastrada.

“Nossa prioridade é trazer as demandas dos bairros para esta casa de leis, encontrando juntos soluções e um pouco mais de dignidade para os cidadãos. Trabalhamos basicamente por três de nossas bandeiras que é a SEGURANÇA DA COLETIVIDADE, que garante que todo cidadão acesse garantias fundamentais previstas na Constituição, o EMPREENDEDORISMO para que não dependam do assistencialismo público e GESTÃO ESTRATÉGICA participativa, que são as demandas vindas dos munícipes para que as ações e serviços cheguem a quem realmente precisa”, destacou o parlamentar.

Para participar e responder os questionamentos dos moradores e da equipe do gabinete, o parlamentar convidou os representantes da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos e do Instituto de Planejamento e Desenvolvimento Urbano (IPDU) de Cuiabá. “O número de registro de CEP é limitado, não finito e necessita de planejamento, de uma diretriz nacional que obriga os Correios a atribuir o CEP apenas aos bairros e loteamentos regulares. Se a localidade tem por algum motivo uma irregularidade de ocupação ou não pertence a um bairro regular, o CEP é transferido a um lugar de maior demanda”, esclarece Lauro Carneiro, diretor do IPDU.

Os residentes relataram também que o precário estado das vias tem causado cancelamentos inclusive de entregas por aplicativos. “A falta de geolocalização faz com que os entregadores necessitem de um tempo maior para localizar os endereços, além de causar estranheza por ter este problema em um bairro tão próximo da região central e acabamos tendo por diversas vezes nossos pedidos e transporte privado por aplicativo cancelados. O bairro já demonstra desvalorização por mais que seja tranquilo, recebe o conceito de perigoso”, desabafou o solicitante Josué Moreira.

“Moro aqui desde quando nasci e nunca teve CEP. Enviamos nossas encomendas para o bairro vizinho, temos que ligar e ensinar o caminho para a transportadora chegar até aqui. Já houve casos de termos que estornar o valor por não conseguir chegar até aqui. Os motoristas de aplicativos cancelam a corrida quando não encontram nosso endereço. Precisamos resolver este problema de CEP. Estamos completamente abandonados”, conta Kamila Moreira.

O constrangimento é ainda maior quando os moradores solicitam a instalação de serviços, como de internet. Outras solicitações de responsabilidade da Secretaria de Obras que serão enviadas ao Secretário por meio de requerimento para restauração e iluminação das principais vias na região.

O próximo passo será a elaboração de um Projeto de Lei para inclusão do nome da rua que será enviado para o executivo para deferimento e para o Correio para inclusão do CEP que necessita que a localidade não seja irregular.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?