fbpx
 Vereador por Cuiabá propõem que homens façam campanha pelo fim da violência contra a mulher

Intitulado ‘mês do laço branco’ o Projeto de Lei sugere que dezembro seja o mês da campanha.

A campanha mês do laço branco terá atividades de conscientização aos homens pelo fim da violência contra as mulheres. Neste mês, devem ser desenvolvidas ações pelos gestores públicos municipais e secretarias que aderirem a jornada. Opcionalmente, prédios públicos deverão ser iluminados com a cor branca, deverão ser realizadas promoção de palestras, eventos e atividades educativas voltadas aos homens sobre o tema, além da veiculação de campanhas midiáticas e disponibilização de banners em sites, folders e outros materiais com ilustrações e exemplos sobre prevenção do feminicídio, contemplando a generalidade do tema. Campanhas nas escolas do município terão como símbolo um laço de fita na cor branca.

“Este Projeto de Lei não vai acarretar custos para o Executivo, mas de maneira sugestiva deve promover ações em todo âmbito municipal para alertar os homens sobre as agressões e atitudes machistas que podem desencadear diferentes tipos de agressões ou violência contra as mulheres, buscando promover relacionamentos saudáveis e respeito mútuo”, salienta o Paccola.

O parlamentar também é o idealizador do curso ‘Só para Elas’ realizado desde a fundação do Grupo Força e Honra. “Este curso tem auxiliado muitas mulheres sobre o autocuidado e autoproteção, além de fornecer dicas de segurança e dos riscos do cotidiano e manuseio de armas de fogo. Eu costumo dizer, que quando um homem leva uma mulher para o estande de tiro, para que ela aprenda a atirar, ele não tem absolutamente nada a esconder ou a temer”, brinca o também palestrante.

Em diversos países, a campanha do Laço Branco ocorre no dia 06 de dezembro, sendo uma das principais campanhas pelo fim da violência contra as mulheres. São organizados eventos e atividades para sensibilizar, envolver e mobilizar homens no engajamento pelo fim da violência contra a mulher.

Historicamente, o Laço Branco é uma mobilização que surgiu no Canadá, devido a uma tragédia ocorrida em 1989 em Montreal, quando Marc Lepine, de 25 anos, invadiu uma escola politécnica canadense, ordenou que os homens se retirassem e assassinou 14 mulheres, se suicidando em seguida. Em sua carta de suicídio, o assassino afirmou que não suportava a ideia de ver mulheres estudando engenharia, curso tradicionalmente masculino. A tragédia mobilizou os canadenses a criar a primeira campanha do Laço Branco, sendo distribuídos cerca de 100 mil laços brancos entre homens canadenses de 25 de novembro a 6 de dezembro, sendo promulgado no dia 25 de novembro pela Organização das Nações Unidas, como o Dia Internacional de Erradicação da Violência contra a mulher.

No Brasil, a campanha teve início em 1999, sob coordenação da Rede de Homens pela Equidade de Gênero (RHEG), que reúne organizações não governamentais e núcleos acadêmicos. Em 2007, foi promulgada a Lei Federal nº 11.489/2007, que estabelece o dia 6 de dezembro como Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

Mesmo com a criação da Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006 mais conhecida como Maria da Penha, o crescimento de casos de feminicídio vem crescendo no Brasil e essa campanha Mês do Laço Branco — Homens pelo Fim da Violência contra a Mulher – vem para diminuir, bem como, reduzir essa estatística. A violência contra a Mulher não está limitada a violência física, infelizmente o cenário de violência é mais amplo, sendo: violência sexual, psicológica, física, financeira e moral. Os registros de violência já eram alarmantes antes da pandemia, sem contar às mulheres que não procuram a delegacia por medo do agressor. A aprovação deste projeto é de suma importância pela redução do número de casos de violência, através da conscientização por parte dos homens para que se unam contrários a qualquer tipo de violência contra as mulheres.

O Projeto de Lei foi aprovado pelos vereadores da Casa e segue para ser sancionado pelo Prefeito da Capital. 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?