fbpx
 Vereadores fiscalizam Hospital de Referência Covid-19 da capital após denúncias de bloqueio de leitos

Os vereadores foram impedidos de fiscalizar a unidade na última quinta-feira (25), mas retornaram a sexta-feira (26) acompanhados da Secretária de saúde do município.

No início do mês de fevereiro, o vereador T. Coronel Paccola já havia visitado as dependências do Hospital de referência Covid-19 de Cuiabá para conhecer as funcionalidades e seus déficits, e retornou ao Hospital após as denúncias de bloqueio dos leitos, acompanhado de um Auditor do Ministério da Saúde e do vereador Diego Guimarães.

“Viemos cumprir nosso dever de fiscalizar. Já emitimos um relatório desta visita técnica e estamos encaminhando para a superintendência e para a Secretaria de Saúde do Município.  Seguimos fazendo o nosso melhor com as condições existentes para quando tivermos condições melhores, fazermos melhor ainda”, diz vereador Paccola.

No hospital, os vereadores verificaram que os respiradores utilizados nas UTI´s são apenas para transporte de pacientes e que muitos medicamentos de uso continuo faltam com frequência, principalmente os sedativos utilizados nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI). “Os respiradores que estão hoje nas UTI´s não são os respiradores pulmonares próprios para pacientes entubados. Há uma série de irregularidades que queremos primeiro comunicar a direção, pois nossa intenção não é expor esta administração, e sim resolver as várias problemáticas da saúde”, declara.

Paccola também esteve na Central de Distribuição de Medicamentos e Insumos (CDMIC) da Secretaria de Saúde de Cuiabá para entender seu funcionamento, distribuição e controle dos medicamentos na Capital. “O CDMIC distribui os medicamentos nas unidades básicas (PSF’s e Centros de Saúde) e nas unidades de atenção secundárias (Policlínicas, Unidades de Pronto Atendimento – UPA e Centro de Especialidades Médicas) da rede de Saúde. De acordo com o Conselho Regional de Farmácia de Mato Grosso, estas unidades operaram irregularmente sem um profissional farmacêutico, resultando na perca de muitos medicamentos, que perdem o prazo de validade, são armazenados de forma irregular e até mesmo sendo dispensados inadequadamente, gerando um custo maior para o município”, finaliza.

Outro fator apontado pelo parlamentar é do alto índice de mortalidade do Hospital de Referência Covid-19 de Cuiabá e da dispensa de utilização dos leitos terceirizados que deveriam estar ocupados antes dos leitos próprios, uma vez que estes recursos são recebidos todos os meses para este fim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?