Nova CPI da saúde pretende identificar servidores que estariam dando ‘suporte’ aos esquemas na saúde em Cuiabá

O parlamentar acredita que com as identificações, os esquemas possam cessar

O vereador T. Coronel Paccola disse que a nova Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde de sua autoria, aprovada no final de novembro, pretende identificar e responsabilizar os membros da Secretaria de Saúde de Cuiabá que estariam dando “suporte” para uma organização criminosa. Paccola, que será o presidente, conta com Marcrean Santos (PP) como relator e Chico 2000 como membro, ambos bases do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB).

 A CPI da Saúde já irá iniciar os trabalhos, já que o parlamentar que também é membro da CPI dos Medicamentos, que ocorre desde meados do ano, já irá apresentar seu relatório nesta sexta-feira, 03 de dezembro.  “Na CPI dos Medicamentos identificamos alguns servidores, inclusive efetivos, que dão suporte para essa estrutura acontecer. Por isso se fez necessária esta nova CPI para darmos continuidade na identificação desta organização para que possamos cessar os desvios dos recursos públicos da saúde, responsável pela perda das milhares de vidas nestes últimos anos”, afirmou.

O alvo das investigações foram as mais de 10 operações policiais na Secretaria de Saúde, que culminaram em afastamentos de secretários e até prisões, além do afastamento do atual prefeito Emanuel Pinheiro, que já retornou ao cargo. “Essas operações não ocorreram por nada, temos 10 motivos e caminhos para que possamos chegar no verdadeiro motivo.

 A CPI da Saúde terá 120 dias para concluir os trabalhos, podendo ser prorrogado pelo mesmo prazo. Ela terá como embasamento as investigações das diversas operações policiais na Saúde da qual a Gestão Emanuel Pinheiro foi alvo. Como Operação Sangria, Overpriced, Curare, Autofagia, Colusão, Capistrum, Cupincha, Malebolge, Overlap, Sinal Vermelho e Cupincha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

× Como posso te ajudar?