Paccola diz que Câmara mostra não ter independência por não aprovar Comissão Processante

Pela 4ª vez pedido de abertura da Comissão processante não é aprovado por maioria dos vereadores

O vereador por Cuiabá, T. Coronel Paccola avalia que a Câmara de Cuiabá está desmoralizada ao rejeitar a abertura de mais dois pedidos de abertura de Comissão Processante contra o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), mesmo que tenha aumentado o número de favoráveis ao processo na última terça-feira (30). Os novos pedidos foram propostos pelos vereadores Dilemário Alencar (Podemos) e Edna Sampaio (PT).

“A Câmara fica desmoralizada, sem sombra de dúvidas. Infelizmente, mais uma vez, demonstra a não existência de independência entre Poderes, o que não é diferente de outros Parlamentos no Brasil. E acredito que os pares que votaram contrários à Comissão, não tiveram o trabalho de ler o relatório da Comissão Especial, disse Paccola.

Paccola citou que o pedido elaborado pela Comissão Especial aponta vários indícios de improbidade e não apenas o processo relacionado às contratações irregulares na Secretaria de Saúde, que resultou no afastamento do atual prefeito por quase 40 dias do Palácio Alencastro. “Há pressão da sociedade para a abertura de uma Comissão Processante contra Emanuel e a resistência dos vereadores que compõem o “núcleo duro” de apoio ao prefeito não tem fundamento para não aceitar”, diz.

O grupo que apoia o atual prefeito, age como se a votação já fosse pela cassação do mandato do prefeito, o que o parlamentar nem mesmo acredita ser possível. “Não temos motivos para não instaurar a Comissão Processante, não é ‘cassação’ do prefeito, como tenho dito. Mesmo instaurada, precisará de 17 votos para cassar. “Hoje, percebemos 8 ou 9 vereadores que não abrem mão de todos os cargos e estrutura que têm disponíveis, tanto para se manterem como vereadores, quanto para serem eleitos deputados ou outras candidaturas”, completou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

× Como posso te ajudar?